25 de janeiro de 2009

Costinha


Francisco José Rodrigues da Costa (Costinha), nasceu no dia 1 de Dezembro de 1974 em Lisboa.
Deu os primeiros passos como futebolista no Clube Oriental. Na temporada de 1995/96 mudou-se para o A.D. Machico, clube Madeirense. Na temporada seguinte transferiu-se para outro clube da Ilha da Madeira, o C.D. Nacional.
Em 1997/98 e com 22 anos, foi contratado pelo A.S. Mónaco. No clube francês permaneceu quatro temporadas onde se sagrou Campeão de França na temporada de 1999/2000.
Na época de 2001/02 transferiu-se para o Futebol Clube do Porto estreando-se na Primeira Liga num jogo contra o Sporting C.P. onde acabou expulso.
Na temporada seguinte e já sob o comando técnico de José Mourinho, Costinha foi pela primeira vez Campeão de Portugal e venceu a Taça de Portugal. Conquistou ainda a Taça UEFA depois da vitória sobre os escoceses do Celtic de Glasgow por 3-2 na final, um jogo que não foi feliz para Costinha já que saiu lesionado logo aos 9 minutos.
Na época seguinte começou da melhor maneira já que venceu a Supertaça onde foi o autor do golo da vitória sobre o União de Leiria. Voltou a sagrar-se Campeão Nacional, mas o ponto alto foi o triunfo na Liga dos Campeões onde derrotou a sua anterior equipa, o A.S. Mónaco.
Inesquecível para todos os portistas ficou no entanto o golo de Costinha marcado em Inglaterra contra o Manchester United já nos minutos finais e que valeram ao F.C. Porto a passagem à eliminatória seguinte.
Em 2004/05 voltou a vencer a Supertaça e em Dezembro ajudou a vencer a Taça Intercontinental em Tóquio.
Na época de 2005/06 mudou-se para a Rússia para representar o Dínamo de Moscovo, algumas lesões e problemas fizeram com que Costinha não fosse feliz em Moscovo e em 2006/07 rumou ao Atlético de Madrid.
Na temporada seguinte mudou-se para Itália para defender as cores do Atalanta B.C. clube onde colocou um ponto final da sua carreira.
Em Fevereiro de 2010 assumiu o cargo de director de futebol do Sporting C.P. Pouco mais de um ano depois deixou o clube de Alvalade e rumou à Suiça para exercer idêntico cargo no Servette F.C. lugar que ocupou até 2012.
Em Fevereiro de 2013 aceitou treinar pela primeira vez um clube na sua carreira ao ocupar o lugar técnico no S.C. Beira-Mar.
No inicio da temporada de 2013/14 assumiu o comando técnico do F.C. Paços de Ferreira cargo que ocupou apenas até ao final de Outubro de 2013. Em 2016/17 orientou a equipa da Académica de Coimbra.
No dia 25 de Julho de 2014 voltou a pisar o relvado do Estádio do Dragão e a vestir a camisola do Futebol Clube do Porto no jogo de homenagem e despedida de Deco.

Palmarés
1 Taça Intercontinental
1 Liga dos Campeões
1 Taça UEFA
2 Campeonatos Nacionais da 1ª Divisão (Portugal)
1 Taça de Portugal
2 Supertaças Cândido de Oliveira
1 Campeonato de França
1 Supertaça de França

18 de janeiro de 2009

Adeptos

Na semana em que este blog completa o primeiro aniversário e quando já conta com mais de 10.000 visitas, o destaque vai para aqueles que sentem e têm amor ao clube e o acompanham para todo o lado, faça sol ou chuva, calor ou frio. Porque são eles a sua principal força.
Esses são os adeptos do Futebol Clube do Porto.

11 de janeiro de 2009

Araújo


António de Araújo nasceu em Paredes no dia 28 de Setembro de 1923.
Araújo foi um avançado que jogou no Futebol Clube do Porto durante a década de 40 e que, apesar da curta carreira, acabou por marcar aquela geração de futebolistas.
Chegou ao F.C. Porto com apenas 19 anos mas logo viram nele potencial para integrar a equipa principal.
Estreou-se com a camisola azul e branca no dia 1 de Novembro de 1942 numa partida contra o S.C. Salgueiros em que os portistas venceram por 9-0 e com Araújo a apontar dois tentos.
Na época 1946/47 acabaria por ser o melhor marcador do campeonato com 36 golos em 25 jogos.
Infelizmente, ficou ligado à pequena travessia do deserto que o F.C. Porto enfrentou durante esse período e que o afastou dos merecidos títulos. Mas os golos que marcou ao serviço do F.C. Porto cedo o levaram à Selecção Nacional e foi com naturalidade que manteve a veia goleadora ao serviço da Selecção. Foi ele o autor de dois golos à Espanha na primeira vitória oficial sobre os espanhóis (Travassos marcou os outros dois).
Depois do sucesso que atingiu na Selecção Nacional acabou por ficar conhecido por «Sport Lisboa e Araújo» porque era com frequência o único jogador do F.C. Porto a impor-se na Selecção Nacional que naquele tempo era maioritariamente constituída por jogadores do S.L. Benfica, do Sporting C.P. e do C.F. Belenenses.
Araújo foi mesmo responsável por não permitir que os «cinco violinos» tivessem na Selecção o mesmo estatuto e reconhecimento que tiveram no Sporting C.P. isto porque o jogador do F.C. Porto relegava para o banco de suplentes o sportinguista Vasques.
Em 1947, no auge da sua carreira, foi-lhe diagnosticada uma doença na garganta que acabou por lhe afectar os rins. Ainda assim esteve presenta na vitória sobre o Rel Madrid C.F. por 4-1, no Estádio do Lima e Em Valência onde os Dragões venceram por 1-0 a formação da casa.
Na época seguinte ainda foi um dos protagonistas na célebre vitória do F.C. Porto sobre o Arsenal (3-2), mas a meio da época a doença de que padecia não o deixou continuar e foi forçado a abandonar os relvados durante quase dois anos. Quando regressou já não era o mesmo Araújo pois perdera muitas qualidades que fizeram dele um dos melhores avançados de sempre do futebol português.
Venceu por cinco vezes o Campeonato do Porto.
Ainda jogou no F.C. Tirsense e no União de Paredes antes de terminar a carreira.

Palmarés:
5 Campeonatos do Porto

4 de janeiro de 2009

Siska


Mihaly Siska nasceu no dia 4 de Janeiro de 1906 em Budapeste na Hungria.
Depois de ter passado na Hungria pelo Vasas S.C. Mihaly Siska. Apenas com 18 anos. Embalou o Futebol Clube do Porto para a conquista do segundo campeonato de Portugal em 1924/25. O “testemunho” passado por Lino Moreira veio a vencer três anos depois, numa das extraordinárias exibições de Siska em Viana do Castelo.
Na dura prova dos “Nacionais”, não há dúvida de que Siska teve uma capacidade extraordinária e excedeu de maneira indiscutível todos os valores dos primeiros anos do futebol de competição em Portugal. Mihaly Siska, que desapareceu, infelizmente, muito novo do mundo dos vivos, foi dentro do Futebol Clube do Porto um elemento de curiosa aptidão profissional: bom funcionário da secretaria, treinador e atleta pundonoroso. Muito inteligente e correcto, Siska deu exemplos de esmerada educação e amor clubista.
Quem jogasse como Siska jogou, considerado por toda a crítica da época “o mais extraordinário guarda-redes visto em clubes portugueses”, seria dono e senhor em qualquer país. O grande Siska nunca se aproveitou dessa classe, embora tenho sido muito assediado para tal. Era modesto e muito sensato.
Depois de Lino Moreira ter sido o guarda-redes Campeão com o F.C. Porto, Mihaly Siska era o dono da baliza no segundo campeonato conquistado pelos Dragões e teve muita influência pessoal em tão magníficos triunfos.

Palmarés
1 Campeonato de Portugal
9 Campeonatos do Porto

Texto e foto: revista Dragões nº 11