20 de junho de 2010

José Mourinho

José Mário dos Santos Félix Mourinho nasceu no dia 26 de Janeiro de 1963 em Setúbal.
Filho de Félix Mourinho (um antigo guarda-redes do V.Setubal e C.F. Belenenses), como futebolista nunca se conseguiu impor e acabou por ser como treinador que alcançou a fama.
Formado em Educação Física pelo I.S.E.F. da Universidade Técnica de Lisboa. Passou pelo C.F. Estrela da Amadora e pelo V. Setúbal como preparador físico antes de fazer parte da equipa técnica do Sporting C.P. liderada pelo inglês Bobby Robson que depois se mudou para o Futebol Clube do Porto e mais tarde para o F.C. Barcelona. Permaneceu no clube catalão quando Bobby Robson saiu para o PSV Eindhoven, e passou a adjunto de Louis Van Gaal.
Em 2000/01 regressou a Portugal para assumir o comando do S.L. Benfica onde se manteve durante 9 jogos, até o clube mudar de presidente.
Ainda nessa temporada ingressou no União de Leiria para deixar o clube da cidade do lis em Janeiro de 2002 para comandar o F.C. Porto.
Chega ao Futebol Clube do Porto e logo afirma que vai ser campeão na próxima temporada. Assim disse e assim o fez já que em 2002/03 os portistas venceram o Campeonato Nacional mas também a Taça de Portugal e ainda a Taça UEFA numa épica partida contra os escoceses do Celtic F.C. Foi assim uma época em cheio de uma equipa praticamente nova com muitos jogadores que nessa temporada ingressaram no clube, casos de Pedro Emanuel, Maniche, Derlei, Paulo Ferreira e Nuno Valente.
Na temporada de 2003/04 começou por conquistar a Supertaça Cândido de Oliveira, voltou a vencer o Campeonato Nacional e ganhou a Liga dos Campeões onde deixou pelo caminho clubes como o O. Lyon, R.C. Deportivo da Coruña e Manchester United F.C. No final dessa temporada, José Mourinho decidiu abandonar o F.C. Porto de forma inglória o que não caiu bem na maioria dos adeptos portistas.
Na temporada seguinte transferiu-se para o Chelsea F.C. de Inglaterra e leva o clube londrino à vitória do campeonato 50 anos depois da última vez que foram campeões. Ainda nessa temporada ganhou também a Taça da Liga Inglessa. Em 2005/06 voltou a ganhar o campeonato e a Supertaça de Inglaterra. Na época seguinte vence a Taça de Inglaterra e de novo a Taça da Liga. Em Setembro de 2007 deixou os ingleses.
Em 2008/09 rumou a Itália para levar o Inter de Milão à conquista do campeonato e à vitória na Supertaça italiana. Na época de 2009/10 venceu a Taça de Itália, depois repetiu a vitória no campeonato nacional e voltou a conquistar a Liga dos Campeões, o que lhe valeu a entrada num grupo muito restrito de apenas 3 treinadores Campeões Europeus por 2 clubes. No final deixou os italianos para se juntar aos espanhóis do Real Madrid F.C. onde venceu a Taça de Espanha de 2010/11 o campeonato de 2011/12 e a Supertaça em 2012/13. Em 2013/14 regressou a Inglaterra e ao Chelsea F.C. Os triunfos tardaram um pouco a chegar, mas em Março de 2015 voltou a levar o clube londrino à vitória na Taça da Liga inglesa e voltou a sagrar-se Campeão de Inglaterra em 2014/15. Na temporada seguinte os maus resultados foram-se acumulando e em Dezembro de 2015 foi afastado do comando técnico do clube londrino. No inicio da época de 2016/17 assumiu o comando técnico do Manchester United F.C. e começou logo por conquistar a Supertaça de Inglaterra, seguindo-se a vitória na Taça da Liga inglesa em Fevereiro de 2017 e a conquista da Liga Europa no final da temporada de 2016/17.

Palmarés
2 Liga dos Campeões
2 Taça UEFA Liga Europa
2 Campeonatos Nacionais da 1ª Divisão (Portugal)
3 Campeonatos de Inglaterra
2 Campeonato de Itália
1 Campeonato de Espanha
1 Taça de Portugal
1 Taça de Inglaterra
1 Taça de Itália
1 Taça de Espanha
1 Supertaça Cândido de Oliveira
2 Supertaça de Inglaterra
1 Supertaça de Itália
1 Supertaça de Espanha
4 Taças da Liga de Inglaterra

13 de junho de 2010

Taça Intercontinental

A Taça Intercontinental foi criada por Henri Delaunay e teve a primeira edição no ano de 1960.
Os clubes estreantes foram os espanhois do Real Madrid F.C. (Campeão Europeu) e os uruguaios do C.A. Peñarol (Campeão Sul-Américano). Os espanhóis venceram o troféu já que obtiveram três pontos nos dois jogos.
Até 1968 o vencedor era a equipa que conquistava maior número de pontos no conjunto das duas partidas e houve mesmo edições que tiveram um jogo de desempate para se encontrar o vencedor.
De 1969 a 1979 passou a decidir-se pela diferença de golos nas duas-mãos.
Entre 1980 e 2004 o evento realizou-se no Japão, muito por culpa da marca Toyota que passou a patrocinadora oficial da competição. O modelo do torneio voltou também a sofrer alterações, passando a disputar-se em apenas um jogo.
Foi precisamente neste ultimo período que Portugal voltou a ter um representante na competição, o Futebol Clube do Porto. Já antes tinha sido representado pelo S.L. Benfica, em 1961 e em 1962, mas sem sucesso.
Bem sucedidas foram as duas presenças dos Dragões em terras nipónicas já que venceram os dois encontros, em 1987 e em 2004.
Em 1987 a equipa comandada por Tomislav Ivic venceu o C.A. Peñarol por 2-1, com os golos a serem apontados por Fernando Gomes e Rabat Madjer, numa partida disputada no estádio Olímpico de Tóquio, em péssimas condições e onde o verde do relvado deu lugar ao branco da neve. Madjer foi também eleito pelos jornalistas o melhor jogador do encontro.
Em 2004 o F.C. Porto voltou ao Japão, desta vez ao estádio Internacional de Yokohama, para defrontar os colombianos do C.D. Once Caldas. O jogo foi decidido no prolongamento das grandes penalidades e onde os portistas encontraram a felicidade que parecia lhes querer fugir durante o tempo regulamentar. Mais uma vez o melhor jogador foi um portista, Maniche.
O Futebol Clube do Porto foi assim a equipa que ficou com o troféu original já que a partir de 2005 a competição voltou a ter um novo formato e uma nova taça.